Seleção de filmes para celebrar o dia nacional da visibilidade lésbica

Dia 29 de agosto se comemora o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, data em que ocorreu, em 1996, o 1º Seminário Nacional de Lésbicas - Senale. Pra celebrar essa data tão importante, a Paula Ramos fez essa curadoria audiovisual maravilhosa de séries & filmes de protagonismo lésbico.

 Estes filmes trazem assuntos como descobertas, relacionamentos, dramas, protagonismo feminino e negro dentro do universo lésbico, desmitificando e quebrando padrões heteronormativos, por consequência. Espero que gostem!

1. Azul é a cor mais quente (2013) - França

Adèle é uma jovem estudante colegial que, em meio ao seu universo escolar extremamente heteronormativo, conhece Emma, sua primeira grande paixão. Emma, mais velha, estudante de Belas Artes, está prestes a se formar em seu ano final da faculdade. Com ela, Adèle mergulha numa intensa troca de prazeres e descobertas; apesar da diferença de classe, cultura e educação entre elas. Silenciamento e insegurança são pautas importantes que também norteiam o enredo do filme.

Wet scale: 🔥 🔥 🔥 🔥 🔥

Palavras-chave: Descoberta, drama, cinema europeu.

2. Rafiki (2018) - Quênia

Com mulheres negras presentes atuando e dirigindo o filme, Rafiki é drama queniano banido pelo seu país de origem, mas que, no entanto, ganhou visibilidade ao redor do mundo. Duas jovens destinadas (pela sua origem familiar) a serem rivais começam a se conhecer e se apaixonam. Porém, na busca de viver com naturalidade o seu amor, elas passam por extensas frustrações por viverem numa sociedade extremamente preconceituosa e conservadora, o que as leva a decidirem entre viver o seu amor e/ou distanciarem-se a fim de conseguir viver com segurança e dignidade.

Palavras-chave: Descoberta, drama, protagonismo negro.

3. Retrato de uma jovem em chamas (2019) - França

França, século XVIII: Marianne, uma jovem artista, é chamada para pintar um retrato de Héloise, uma jovem nobre de família tradicional. O objetivo do retrato de Héloise é promover sua figura para seu futuro marido, mesmo sem o consentimento dela. Durante alguns dias isoladas numa ilha, Marianne e Héloise se apaixonam e vivem intensos dias de amor e troca até chegar a hora de entregar o quadro (e Héloise) à seu futuro marido. Comovente e muito intenso.

Palavras-chave: Drama, cinema europeu.

4. Pariah (2011) - EUA

Alike é uma jovem afro-americana de 17 anos que se descobre lésbica. Morando no subúrbio estadunidense e carregada de pressões sociais como mulher (e mulher negra), ela enfrenta uma série de desafios dentre sua baixa alto-estima, viver de acordo com os sonhos moldados à ela por seus pais ou viver com honestidade e assumir a sua homossexualidade abertamente. Pariah é um filme extremamente representativo no que tange o ser lésbica e a forte luta de construção de sua identidade.

Palavras-chave: Descoberta, drama, protagonismo negro.

5. Below Her Mouth (2016) - Canada

Com alto teor erótico e sensual, Below Her Mouth é um filme que narra a história de Jasmine e Dallas. Jasmine, editora de moda e noiva de um executivo, e Dallas, carpinteira que começa a trabalhar num projeto na casa ao lado de Jasmine. Elas se conhecem numa festa, e Jasmine impressionada com a forma com que Dallas a seduz, não consegue tirá-la da cabeça. Um affair extremamente intenso se inicia cujo sentimento evocado vai conduzir Jasmine, inevitavelmente, a reavaliar sua vida. Um highlight importante é sua equipe formada totalmente por mulheres, desde direção, produção e elenco femininos.

Wet scale: 🔥 🔥 🔥 🔥 🔥

Palavras-chave: Descoberta, Romance, Equipe feminina.

6. The Watermelon Woman (1996) - EUA

“The Watermelon Woman (1996), Cheryl Dunye, é um modelo híbrido de ficção/documentário. A dupla encenação vai da busca de uma atriz negra do cinema mudo ao cotidiano da própria diretora/personagem. Uma associação entre forma e conteúdo permite igualar-se à representação da personagem o deslocamento dos gêneros cinematográficos, tornando o filme uma performance queer, em que a história sobre a vida da mulher-melancia e a realidade de Cheryl se mesclam, dando visibilidade à mulher negra e lésbica.” (De Lima, M; De Lyra, M; e Carlos Magno, M; 2018)

Referência: A performance queer na dupla encenação do filme the watermelon woman. Por Marília Xavier de Lima, Maria Bernadette Cunha de Lyra, Maria Ignês Carlos Magno

Palavras chave: Queer, relacionamento inter-racial, documental

7. (Série) The L word Generation Q - EUA

Advinda da anterior série The L Word com 6 temporadas, a qual também vale (re)ver, The L Word Generation Q chega para expandir a interseccionalidade do ser LGBTQIAP+. A nova série combina a expansão da pluralidade de suas personagens com a sua trama original recheada de amor, sexo, decepções e sucessos na cidade de Los Angeles. Com algumas personagens marcantes presentes na série anterior, como Shane, Bette e Alice - Katherine Moennig, Jennifer Beals, Leisha Hailey, respectivamente -, a versão Generation Q volta com o melhor do anterior: muito amor e drama lésbico. Amém!

Wet scale: 🔥 🔥 🔥 🔥 🔥

Palavras chave: Drama, relacionamento, LGBTQIAP+

E aí, quais dessas vocês ja conheciam? Quais vocês tão mais afim de ver? nos conta nos comentários!

 _

© Texto de Paula Ramos, Gerente de Projetos formada em Cultura Visual pela NCAD, Dublin. 
Todos direitos reservados.

Gostou? Deixe seu comentário

Não aceitamos discurso de ódio. Todos os comentários serão moderados antes de serem publicados.

primeiro toy? vem comigo