POR QUE A VIDA SEXUAL DA MULHER LÉSBICA, BI E QUEER RESULTA EM MAIS ORGASMOS DO QUE A HETEROSSEXUAL?

 O que acontece de fato?

Segundo pesquisas (e nos últimos anos tivemos váááárias delas), como a de 2014 feita pelo Journal of Sexual Medicine ou o de 2017 feito pela Kinsey Institute, mulheres lésbicas, bissexuais, pansexuais e queer gozam mais que mulheres heterossexuais. As taxas variam, mas vemos entre 70% e 90% de orgasmos acontecendo no sexo entre duas pessoas com vulva, e cerca de 50% a 65% de orgasmos acontecendo no corpo de quem tem vulva quando se relaciona com alguém com pênis. Quais os motivos? 


  • O sexo heteronormativo é quase todo focado apenas em penetração
  • Esse é o primeiro e maior motivo. Enquanto pessoas com vulva que se relacionam entre si estão mais propensas a explorar todo o corpo e dar tempo e atenção ao clitóris, o sexo hetero ainda peca em achar que tudo se resume ao pênis entrando na vagina, o que anatomicamente chega a ser até 80% menos orgástico que a estimulação externa do clitóris. 


  • Mulheres heterossexuais não foram ensinadas a serem donas do próprio orgasmo
  • Pelo contrário, elas foram ensinadas a doarem prazer, estarem disponíveis ao outro, depender desse outro para ter qualquer tipo de satisfação sexual, e não poderem dizer o que gostam ou o que querem para não ferir o ego alheio (muitas vezes até correndo risco por isso). Esse ciclo precisa ser quebrado o quanto antes para que as coisas finalmente possam mudar. 


  • Homens heterossexuais não foram ensinados a escutar as mulheres, principalmente quando o assunto é sexo. 
  • O que vemos é uma proteção social forte acontecendo. Muitos homens ficam agressivos ou até com sensação de impotência se recebem conselhos de como melhorar na cama. Se a cultura masculina ainda se pautar menos em tentar escutar e aprender, e mais em se ofender com as construções que precisam ser conjuntas, como vem acontecendo, as mulheres que se relacionam com esses caras vão continuar sem orgasmos quando estiverem perto deles. 


  • O sexo não precisa seguir um roteiro
  • O que aconteceu foi que para casais heterossexuais os "tutoriais de como fazer sexo" (aka vídeos pornôs) sempre foram fáceis de achar. Mesmo que ali seja uma ficção que descreve de maneira muito pobre e muitas vezes equivocada o que essa relação íntima seria, nunca faltou referências visuais entre homens e mulheres. Já a comunidade queer precisou seguir seus instintos e ir explorando na prática. E por não ter representações reais o sexo foi sendo sempre descoberto de maneira mais sensorial. Ter mais representações é bom, mas isso também pode engessar e roteirizar as relações. Quanto mais fugimos de um roteiro, mais nosso corpo é capaz de sentir, inclusive de gozar. 

     _ 

    © Texto de Clariana Leal, Educadora Sexual e sócia da Climaxxx.

    Todos direitos reservados.

    2 comentários

    Excelente publicação! Concordo com tudo isso. Eu sou bissexual e meu marido também é! A nossa relação deu super certo por ele me aceitar. Ele preocupa com meus orgasmos e me um oral delicioso, esta sempre disposto em aprender! Homem hetero nunca mais KKKKKKKK

    Bruna outubro 21, 2021

    <3

    Mathilde agosto 18, 2021

    Gostou? Deixe seu comentário

    Não aceitamos discurso de ódio. Todos os comentários serão moderados antes de serem publicados.

    primeiro toy? vem comigo