Para além do Kama Sutra

Um dia ouvi que somos todos sedutores natos. Naquele momento não entendi muito bem e no processo da vida fui descobrindo que uma das maiores forças, depois do meu acidente,  e que envolvem a sexualidade, é a sedução. Sempre tratei com leveza o fato de ser cadeirante e acho que isso facilita o fluir das emoções com o outro. Quando me apaixono, mergulho num mar repleto de afetividade. E são muitas as ondas que uma pessoa com deficiência precisa pular para se permitir encarar a paixão livre de regras e desinformação.

As muito feias que me perdoem, mas beleza é fundamental, disse um dia Vinicius de Moraes, resumindo e definindo as aspirações da maioria dos homens em relação às mulheres. A intenção aqui não é discutir o quanto o nosso poeta foi machista ao dizer essa frase. Mas sabemos que além de machista, ele foi também um grande galanteador e deixou o amor e a suas dores bem mais bonitos. Enfim, Vinicius de Moraes deixou o país inteiro um pouquinho mais belo. Felizmente, a beleza é um conceito relativo. E tudo depende de comparado com o quê.

Bonito é o que

Entretanto, em nossa sociedade, a beleza física e a perfeição ainda são muito valorizadas, e maciçamente divulgadas pela mídia, fazendo-nos, erroneamente, atribuir ou restringir a sexualidade ao aspecto físico. Podemos perceber que mitos abrangem os modelos normativos relativos à sexualidade (vida social, afetiva e amorosa que envolve os relacionamentos, a auto-imagem, questões de estética e atração, sedução e gênero) e às práticas sexuais (desempenho sexual funcional e o sexo considerado saudável).

Em todos os casos, baseiam-se em modelos normativos que são ideológicos e construídos socialmente e prometem uma felicidade idealizada e exagerada a todos nós, mas que atinge, diretamente, àqueles que vivem com uma deficiência visível e por ela são estigmatizados.

Em pleno século XXI, ainda acredita-se que a mulher e o homem com deficiência não têm sexualidade. São vistos (ainda) de forma infantilizada, a serem protegidos e cuidados – postura ainda bastante comum, principalmente, com adolescentes com deficiência intelectual. Os mitos sobre a sexualidade e deficiência referem-se às ideias, discursos, crenças, inverdades que são ideológicas e que existem para manter e reproduzir as relações de dominação de uns sobre os outros.

O que a gente deseja

Conhecer, se informar e esclarecer mitos e ideias errôneas sobre sexualidade de pessoas com deficiências é uma tarefa importante porque essas crenças podem afetar a todos, quando por meio delas se incentivam as relações de discriminação e de dominação que podem ocorrer entre pessoas sem deficiência sobre as com deficiência, entre homens com deficiência sobre as mulheres. A deficiência não é sinônimo de impotência, e sim, uma forma de desenvolver novos metodologias para sentir prazer e também sentir-se desejada ou desejado.

Essa total desinformação a respeito do assunto também traz outros grandes equívocos. Por exemplo: mulheres com deficiência física, em cadeira de rodas, não podem ter filhos ou exercer o ato sexual; ou que as mulheres e/ou os homens cegos possuem um toque mais sensível, o que tornaria o ato sexual muito mais prazeroso. Certa vez, um amigo que é cego me disse que faz amor em Braille. Fiquei curiosa mas não entrei em detalhe, embora nossos anos de amizade facilitasse a minha pergunta. Resolvi apenas praticar o amor em Braille copiando ele. Foi uma descoberta e tanto. Uau! Também paira o mito de que as pessoas com deficiência intelectual são sem-vergonhas, inconvenientes, e masturbadores compulsivos, por terem uma suposta sexualidade exacerbada e sem governo. Enfim, são muitos os equívocos que precisam ser desfeitos.

Muito mais que beleza

Se por um lado, já identificamos que projetos e programas de políticas públicas mundiais têm lutado pelos direitos de acesso à educação, à saúde, e à vida social daqueles com deficiência, por outro, muito pouco se tem feito ou divulgado no sentido de incentivar a inserção afetiva e sexual deles. Ampliar essas visões para além do patológico favorece o resgate da sexualidade e do erótico das pessoas com deficiência. Considero um caminho para a inclusão social.

A verdadeira saúde sexual é possuir a vida, a liberdade, o movimento, o calor compartilhado. A pessoa com deficiência precisa ser um homem ou mulher em busca de prazer, com responsabilidade e equilíbrio, seguros de sua capacidade de envolver, de se apaixonar, de se entregar.

E foi ouvindo Vinicius que terminei esse texto. E é claro que um poeta não decepcionaria assim tão rápido, exigindo apenas beleza física como critério de seu amor.  “Senão é como amar uma mulher só linda. E daí?. Uma mulher tem que ter alguma coisa além da beleza. Qualquer coisa feliz. Qualquer coisa que ri. Qualquer coisa que sente saudade." Um viva às paixões.

 

© Texto feito por Mariana Reis, personal trainer, colunista, TEDx, palestrante da área de acessibilidade, empreendedorismo e saúde. Uma mulher que busca inspirar, potencializar e transformar a vida das pessoas com quais ela convive, seja por meio de suas palestras, suas aulas ou seus textos. 

Gostou? Deixe seu comentário

Não aceitamos discurso de ódio. Todos os comentários serão moderados antes de serem publicados.

primeiro toy? vem comigo