Dando Limites

Não é novidade que quando se trata de nós, mulheres, estabelecer limites é sempre difícil e contraditório. Primeiro porque não fomos educadas pra sermos seres posicionados e que tomam partido de algo, pelo contrário. Fomos ensinadas a concordar, acatar, servir, e sorrir. O machismo estrutural nosso de cada dia. 

Segundo porque, ao impor os limites, ao dizer não sem se justificar, etc, imediatamente somos tomadas por um sentimento de culpa. Aquela mesma, a culpa cristã. É uma culpa que nos invade e nos poda, nos coloca como injustas, incompreensivas, seres abomináveis, como se jamais pudéssemos nos levantar e nos posicionar perante algo, sem que algo muito ruim viesse a acontecer logo em seguida, e isso mina o empoderamento feminino.

Ou seja, 

Não podemos ser assertivas, diretas, objetivas, não podemos emitir nossas opiniões pois elas não são bem vindas (e muitas vezes nem entre mulheres, vai entender), são vistas como negativas e deslocadas. Nossos posicionamentos são indesejados, são mal interpretados, geram mal estar e ainda somos obrigadas a ouvir que somos "pouco femininas" por isso. Ou que falta "leveza" em nossas vidas. Deus me free.

Ao passo que para eles…

Já aos homens, foi ensinado desde cedo que é bom que ele "se defenda", que ele se posicione, que ele se expresse, e nunca, nem aqui nem em lugar nenhum foi questionado o posicionamento de um homem (aqui falando especificamente de homens brancos). Ao contrário também: emitir suas firmes opiniões é considerado um ponto positivo e altruísta da sua masculinidade.

 

 

O patriarcado é uma coisa, né

Aqui é importante deixar claro que estamos falando principalmente de homens brancos héteros cis, aqueles que ocupam a camada mais alta da pirâmide social, o topo dos privilégios da nossa sociedade, e onde, na maioria das vezes, se expressar não vira esse misto de caos & culpa. Quando um homem branco fala, a gente só ouve amém. Ô, se ouve. 

E ai de você, mulher, se levantar contra…

Aí é prato cheio, é tudo que a sociedade quer pra cair matando: é de histérica e maluca pra baixo.  

MAS,

Não vamos nos calar. Ser a totalidade do nosso ser requer coragem e enfrentamento. Não deixe que te silenciem ou negligenciem tuas opiniões & expressões. 

NOS LEVANTEMOS

É muito importante que a gente aprenda o quanto antes a dizer NÃO.

NÃO QUERO. NÃO ACEITO. NÃO CONCORDO. NÃO PRECISO. E sem maiores delongas, sem maiores justificativas. Isso dá muito trabalho sim e são anos de terapia pra aprendermos finalmente a nos impor. E não nos culpemos, somos seres humanas complexas, cheias de nuances, não temos pretensão de sermos deusas de nada nem ninguém, só queremos EXISTIR, E SER QUEM SOMOS, em nossa completude e inteireza.

 

© Texto de Marcela Büll. Marcela é atriz e sócia da Climaxxx, multiartista, produtora, empreendedora & trabalhadora do Brasil.

Gostou? Deixe seu comentário

Não aceitamos discurso de ódio. Todos os comentários serão moderados antes de serem publicados.

primeiro toy? vem comigo