EDGING, O QUE É E POR QUE É TÃO BOM?

Sabe quando decidimos ir por um caminho mais longo, mas justamente porque sabemos que a demora a mais será recompensada por um destino melhor e mais gostoso de seguir? A prática do Edging é exatamente sobre isso.

Essa é uma técnica, que tem o nome vindo da palavra em inglês Edge, que significa estar à beira de algo. No caso da sexualidade, estar à beira de um orgasmo. É uma prática que pode ser feita por todos os gêneros, sozinhe ou acompanhade, e se resume em adiar ao máximo o orgasmo durante a atividade sexual, uma ou várias vezes se a pessoa quiser. - Mas como assim e por que diabos eu iria querer isso? Você pode estar se perguntando, e eu te digo: É porque construir um caminho de excitação intensa, e deixar com que ela seja o mais consciente e prolongada possível, pode resultar em orgasmos extremamente potentes e diferentes de tudo que você já sentiu até então, transformando algo que já é bom em uma verdadeira experiência de catarse.  



Nosso cérebro, que digo sempre que é o maior órgão sexual humano, quando aprende um caminho mais fácil e curto para alcançar algo, vai sempre querer ir por ele. Isso é pra tudo, e o orgasmo não fica nem um pouco de fora. Se aprendemos a gozar de um jeito, nossa mente vai querer poupar energia e pode acabar ficando um pouco preguiçosa, te dizendo pra fazer sempre tudo do mesmo jeito. Por isso técnicas como o Edging podem ser tão benéficas, já que vez ou outra é bom sair do modo automático. 

A prática, inclusive, foi trazida para o campo científico e teve sua eficácia comprovada por um médico, o Dr. James H. Semans, que em 1956 a transformou em tratamento para ejaculação precoce. 

Então como fazer? 

Primeiro é necessário já ter uma certa familiaridade com seu orgasmo, entender como você o alcança e qual tipo de estimulação é necessária para chegar ao ápice do prazer (e já temos aí mais um bônus, porque a vontade de praticar pode te trazer exatamente para esse lugar de se investigar com mais afinco e entender melhor como seu corpo funciona). Depois é sair da teoria e ir para a prática, ou seja, se tocar! Continue se tocando e quando estiver prestes a ter um orgasmo, simplesmente pare de se tocar ou reduza o ritmo, ou troque de posição e/ou tipo de estímulo, e depois recomece todo o processo aos poucos. Uma dica é rapidamente tirar a mão/toy da região genital e ir tocar outra parte do corpo, como coxas, mamilos, pescoço, etc, fazer uma automassagem, observar com atenção o clitóris ou pênis pulsando, e só depois voltar diretamente às partes íntimas. Como disse acima, o edging pode ser feito durante o sexo solo ou com parceir@, então se você estiver com mais alguém, comunique a hora de parar e como retornar (o que também ajuda muito a trabalhar a comunicação do casal na cama). 



E não esqueça de respirar bem e fundo, focar na respiração é uma prática aliada e é perfeita para trazer toda atenção necessária ao corpo. Nesse processo podemos acessar várias coisas sobre nós mesmos, entender não só uma parte física, mas também sobre como funcionamos na hora de ter o controle de algo e depois deixar soltar completamente. Assim como entender de maneira bem sensorial como nossos limites e nossas potências são tão particulares. 

Se quiser, use toys com diferentes tipos e níveis de vibrações, isso pode deixar tudo mais interessante. Você também pode criar um clima, com velas, um bom lubrificante neutro, áudios eróticos, e o que mais te deixar confortável. 

Edging é uma técnica de expansão que pode ser muito rica e divertida, mas só você pode saber se é algo que quer agregar às atividades sexuais ou não. A ideia aqui é trazer mais opções e mostrar outras possibilidades, jamais impor algo como o certo ou como regra. O principal sempre vai ser se curtir muito nesse caminho maravilhoso que é explorar a própria sexualidade, com pitadas generosas de consenso e auto amor, que nunca são demais, não é mesmo? 

 

© Texto de Clariana Leal, Educadora Sexual e sócia da Climaxxx.

Todos direitos reservados.

Deixe um comentário

Todos comentários são moderados antes de serem publicados