Orgasmo clitoriano x Orgasmo vaginal?

Seguimos numa quarentena de mais de 100 dias e em tempos tão difíceis, nada como um pouco de informação e um pouco (ou muito) de prazer pra manter a sanidade. Por isso começa hoje nosso blog, parte especial do site que vai te trazer o mais especial da educação sexual, e eu, Clariana Leal, sócia da Climaxxx e educadora me sinto honrada em te acompanhar nessa jornada. 


Nada mais justo do que começar na semana em que temos o dia do orgasmo, que é comemorado desde 1999 no dia 31 de julho.  E a existência da Climaxxx é justamente pra espalhar ao máximo esse bônus divino atrelado ao nosso corpo, não é mesmo? Então vou começar aqui lançando uma verdade: Todo orgasmo que acontece no corpo de quem tem clitóris, acontece sempre no clitóris! Isso mesmo, mesmo que seu orgasmo venha através de outros estímulos que não o tocando direto na pontinha do clitóris, o processo inteiro de descarga de energia que gera essa sensação, que é uma das mais gostosas e desejadas do mundo, se passa nesse bendito órgão. 

E por que não sabemos disso? Por que travamos uma guerra entre "orgasmo vaginal" e "orgasmo clitoriano", como se um fosse mais válido que o outro? Bom, a história é antiga, mas a figura que firmou de maneira bem significativa essas ideias equivocadas em relação ao orgasmo feminino foi Freud. Em 1905, o psicanalista espalhou a ideia de que mulheres infantis e sem maturidade tinham o orgasmo clitoriano, enquanto mulheres maduras tinham o orgasmo vaginal, que era conquistado através da penetração durante a relação sexual com seus maridos. Freud não apresentou nenhuma prova ao afirmar sua tese, e realmente ele não tinha como provar, visto que era uma falácia descabida e anos depois a ciência conseguiu anular essa hipótese.


Mas uma sociedade extremamente falocêntrica e patriarcal escolhe a narrativa que mais lhe convém. Nesse caso, por mais que existam evidências de como o clitóris é o órgão responsável pelo orgasmo e sua única função é dar prazer, a ideia de Freud grudou no imaginário de muita gente, geração após geração, e afeta a vida de milhões de mulheres até hoje. 


Pesquisas já apontaram que mais de 80% das pessoas com vagina não gozam apenas com penetração. Esse é um dado real e importante, e não significa em nenhum momento que essa maioria esteja com qualquer tipo de defeito. Nosso corpo funciona assim mesmo. O canal vaginal precisa ser menos sensível, para que a dor do parto não seja insuportável. Enquanto isso, nosso amigo clitóris tem em média 8 mil terminações nervosas, o que é muito, e possui toda uma estrutura complexa, rica e muito maior do que apenas aquela pontinha que nós conseguimos ver e tocar. Ele tem bulbos que abraçam o canal vaginal e permite que haja mais prazer na região. Também possui tecido erétil, o que significa que o clitóris fique ereto durante a excitação, chegando medir até 15cm nesse momento. Portanto, não tenha vergonha de explorar com vontade esse presente da natureza pra atingir orgasmos intensos. Seja sozinha, acompanhada, no momento que for. Ter um clitóris e não estimulá-lo para chegar ao clímax, seria o mesmo que ser uma pessoa com pênis não querer estimulá-lo para gozar. 



Entender o próprio corpo e a própria anatomia são essenciais pra gente conseguir resgatar nosso direito ao prazer. Por isso eu insisto tanto que uma educação sexual honesta e inclusiva pode mudar o mundo. Destruir o mitos e os tabus, afirmar que esse assunto também é questão de saúde pública, e abraçar os diversos tipos de desejos e corpos é uma parte dessa revolução maravilhosa. Vamos juntes?

© Texto de Clariana Leal, Educadora Sexual e sócia da Climaxxx.

Todos direitos reservados.

2 comentários

Amando tanto conhecimento, educação sexual pra ontem já, confesso que tinha uma vergonha do meu clitóris por ficar tão grande, mas agora lendo, quero que ele fique assim pra sempre 😂 Obrigada 🖤

Thainara julho 30, 2020

Excelente explicação, uma verdadeira aula de educação sexual!

Maria Helena Santos Barros Leal julho 30, 2020

Deixe um comentário

Todos comentários são moderados antes de serem publicados