Pular para o conteúdo

Carrinho

Seu carrinho está vazio :(

Artigo: Pansexual: o que é pansexualidade

Pansexual: o que é pansexualidade

Pansexual: o que é pansexualidade

No Dia do Orgulho Pansexual, refletimos sobre o que é ser pansexual na atualidade

A pansexualidade é uma orientação sexual que começa a ser pensada além das categorias binárias de gênero. Ela desafia a norma e reconhece a atração por pessoas independentemente de seu gênero e do seu sexo. 

Muitas vezes ela é mal compreendida e mal definida em diversos contextos. Hoje, em homenagem ao 8 de dezembro, Dia Internacional do Orgulho Pansexual, vamos te explicar em detalhes o que significa a pansexualidade, como é o movimento pansexual e muito mais sobre. 

Mas antes… 

Um pequeno disclaimer

Esse é e acredito que vai sempre ser um tema polêmico. Quando falamos sobre identidade, diversidade e definições, quase sempre pessoas vão discordar entre si. 

Por isso é importante lembrar que as informações desse post não são um veredito sobre a pansexualidade. 

Sabe aquela frase da Debora Secco: “a gente é o que a gente consegue ser. e a gente quer ser muito, eu queria ser muito melhor do que eu sou, mas eu sou o que eu consigo ser.”?  

Como redator, pansexual e trans, acho que isso pode se aplicar muito bem à pesquisa desse texto. Ele parte de um ponto de vivência e de estudo de outros materiais em um limite curto de tempo. Por isso, é impossível colocar aqui todo o conhecimento e todas as discussões do mundo sobre o assunto. 

Dito isso, vale a gente dar uns créditos ade materiais muito mais densos e complexos sobre  questão da pansexualidade. 

E é claro, existem MUITAS outras referências possíveis. Não deixea de compartilhar nos comentários a sua visão sobre o assunto. Esse é um espaço pra debatermos as ideias, de um ser humano para outro.

Disclaimer dado, agora vamos ao assunto principal...

Pansexualidade como movimento monodissidente

Uma boa forma de começarmos a falar sobre pansexualidade é entender o que é ser monodissidente. Essa palavra não é tão conhecida por aí, então vale uma breve explicação. 

Monodissidente ou sexualidades monodissidentes são aquelas que saem do padrão de se relacionar com apenas um gênero. Bissexualidade, Pansexualidade, Polissexualidade são alguns dos exemplos. 

Uma das grandes questões das sexualidades monodissidentes é que não precisamos cercear nossa vontade de nos relacionarmos com pessoas de gêneros diferentes. E que também não precisamos nos envergonhar de gostarmos de pessoas com diferentes gêneros.

É uma junção de toda a galera que 

  • 1) não quer escolher entre ser hétero/gay/lésbica, 
  • 2) não quer se identificar necessariamente com uma sexualidade, 
  • 3) identificam a própria sexualidade como fluída e 
  • 4) identificam sua orientação sexual como pansexual, bissexual, polissexual… etc.

Mas por que entender isso é importante? 

Bem, entender uma base comum ajuda a destrinchar conceitos mais complexos mais tarde e a entender que todas essas orientações sexuais têm uma base em comum. Até porque no fim vamos perceber que as coisas não são tão diferentes e que a luta dos movimentos perpassa as mesmas problemáticas. 

O que é pansexualidade?

A Pansexualidade é a atração das pessoas independente do gênero, como citado no Manifesto Pansexual de 2021. Isso quer dizer que quem se identifica com essa orientação sexual sente atração por pessoas independente da identidade de gênero e do sexo.

Como surgiu o termo?

O termo "pansexual" tem raízes no grego antigo, com "pan" significando "todo" ou "completo". 

Sua popularização na contemporaneidade está associada ao grande movimento LGBTQ+, ganhando destaque nos anos 1970 e, depois, entrando novamente nos holofotes nos anos 2000. Quando começou a ser utilizada nos anos 70 como forma de identificar uma orientação sexual, surgiu lado a lado de outros termos conhecidos como bissexualidade e omnissexualidade. 

O Manifesto Pansexual escrito em 2021, por sua vez, proclama a aceitação incondicional do amor em todas as suas formas, desafiando estigmas e defendendo a liberdade de escolha.

Mas bem antes disso, em 1914, temos relatos da palavra “pansexual” sendo utilizada. Não exatamente com a conotação de orientação sexual, mas como um conceito instituído por Freud. 

Mitos sobre pansexualidade

Como uma orientação sexual que sai do sistema binário hétero/homo, a pansexualidade é muitas vezes confundida ou até mesmo discriminada. Isso faz com que muitas #fakenews cheguem até os ouvidos de desavisades, perpetuando preconceito e desinformação.

Então, vamos entender já e desmistificar as maiores mentiras que circulam por aí sobre a pansexualidade. Começando com…

  • Isso não é coisa da modernidade… Mesmo que seja frequentemente associada à era moderna, evidências históricas e culturais indicam que pessoas que se identificam com essa orientação existem ao longo da história da humanidade. A diferença é que, agora, as discussões sobre diversidade sexual ganharam espaço para que as identidades não normativas sejam compreendidas e respeitadas. 
  • Não veio pra invalidar bissexualidade… Essa aqui é uma das antigas. Importantíssimo entender que a pansexualidade não invalida a bissexualidade. São duas orientações distintas e quem se identificar com alguma delas precisa ser respeitade. Vamos falar um pouco mais sobre as diferenças entre bi e pan num tópico mais abaixo.
  • Animais, plantas ou objetos não entram na jogada… Ao contrário do que muitas vezes ouvimos por aí, a pansexualidade não se estende a atrações por animais, plantas ou objetos. Essa orientação está ligada à atração por seres humanos, destacando a importância de respeitar os limites do consentimento e da ética.
  • Não veio pra “corrigir” transfobia dos bissexuais… A pansexualidade não surgiu como uma resposta à transfobia associada à bissexualidade. E a bissexualidade de forma alguma tem como base excluir pessoas trans. Cada orientação tem suas nuances, e precisamos evitar a comparação direta dessas identidades, reconhecendo que as experiências individuais são variadas. 

Então se existe, por que existe?

Mas, se a alcunha de “pansexual” não surge para melhorar a bissexualidade, por que ela existe? São termos tão parecidos

Essa é muitas vezes a conclusão que as pessoas chegam. Porém, a resposta para a dúvida do porquê o termo pansexual existe é simples. 

A existência da pansexualidade é uma afirmação da diversidade humana. De uma experiência e vivência que se encaixa mais nessa terminologia.

Assim como as outras orientações sexuais, a pansexualidade enriquece o panorama das identidades, promovendo a compreensão e aceitação da complexidade do amor e das nossas orientações sexuais.

Muitas vezes temos uma concepção errada de que termos diferentes, mas com muitas semelhanças, surgem apenas em momentos diferentes, para melhorar o que já foi feito. Quando, na realidade, eles podem ter surgido na mesma época em contextos de vivência diferentes. Foi o que aconteceu com a pansexualidade e com a bissexualidade nos anos 70. Dois termos surgem ao mesmo tempo, para explicar vivências com diferenças sutis. 

Então, como é ser uma pessoa pansexual? Será que eu sou?

Ser pansexual é uma experiência única e individual e questionar qual a sua orientação sexual é parte do processo de autodescoberta. 

Se você está se perguntando se é bi ou pan sendo que ambos são sexualidades monodissidentes, é importante entender qual dessas comunidades inclusivas pode ser a melhor para você. 

Qual movimento mais se adapta às suas crenças? Qual comunidade te apela mais?

Muitos desses momentos de descoberta da nossa identidade são pautados pela experimentação e pelo acolhimento que temos nessas comunidades. 

Por isso, comece pelos manifestos, mas busque mais do que isso. Até porque, pode ser que você chegue a conclusões diferentes no caminho.

Diferença entre pan e bissexual: para além da polêmica

Toda vez que o termo pansexual entra em questão, ele é acompanhado da famosa pergunta: qual a diferença entre bissexual e pansexual? 

A polêmica em torno da distinção entre pansexualidade e bissexualidade destaca a importância de compreender as nuances de cada orientação. Respeitar a autoidentificação das pessoas é fundamental para criar um ambiente inclusivo.

Partindo dessa base do respeito a toda forma de identificação, são dois os caminhos que distinguem os termos bissexualidade e pansexualidade:

Muitos apontam que a diferença entre pan e bi se trata da sutil nuance entre o “mais de um” e o “todos”. Enquanto bissexuais sentiriam atração por mais de um gênero, pansexuais sentiram atração por todos os gêneros. 

A discussão vai mais além: talvez a diferença crucial entre bi e pan seja apenas a experiência que cada um tem na hora de se identificar. Alguns não têm um primeiro contato interessante com o termo bissexual, muitos ainda associam esse termo (erroneamente) a gostar apenas de homens e mulheres. Para outros, o desconhecimento do termo pansexual pode ter gerado mais identificação com o movimento bissexual. 

Enfim, a verdade é que considerando qualquer um desses dois pontos, as diferenças são muito sutis e as lutas para ambos os movimentos são bastante semelhantes.

Movimento pansexual vs. movimento bissexual: uma luta em comum

Apesar das diferenças, os movimentos pansexual e bissexual compartilham uma luta comum pela visibilidade, aceitação e igualdade. 

Muitos dos problemas enfrentados por sexualidades monodissidentes passam pelas mesmas questões: 

  • invalidação da sua sexualidade, 
  • preconceitos por parte de pessoas parceiras, 
  • preconceitos por parte da família ou outras pessoas importantes, 
  • discriminação no ambiente de trabalho, 
  • falta de proteção contra crimes de ódio 

… entre tantos outros problemas.

Unir forças é essencial para criar uma sociedade mais justa e inclusiva para todas as orientações sexuais. E respeitar ambos os movimentos e ambas orientações sexuais é um ótimo começo.

Pansexualidade em 2023: o que é ser pansexual na atualidade?

Em 2023, ser pansexual significa navegar em um mundo mais aberto à diversidade, mas ainda enfrentando desafios e estigmas. A conscientização e o apoio contínuo são cruciais para promover uma sociedade verdadeiramente inclusiva. 

Graças à internet e às redes sociais, é mais fácil encontrar outras pessoas que se identificam com essa sexualidade e construir uma comunidade forte. Esses laços e contatos com pessoas como a gente são essenciais para ter suporte na luta por respeito e igualdade.

E pra comemorar…

O Dia Internacional do Orgulho Pansexual, celebrado em 8 de dezembro, marca uma data para reconhecer a importância da pansexualidade e promover a visibilidade dessa orientação.

E para comemorar com sue(s) parceire(s) nada melhor do que uma noite que celebre o amor e a diversidade. A Climax tem toys que servem para todos os tipos de corpos e que garantem uma diversão segura pra todes envolvides.

Olha só uma lista pra você dar uma olhada: 

  • Dedeira Dory pra incrementar na hora de usar os dedos;
  • Plug & Dildo Moon o dildo/plug mais lindo e mágico do mundo;
  • Cinta Strap On pra facilitar na hora da celebração;
  • London Eye que serve tanto pra estimular a vulva quanto pra usar como masturbador para pênis, para todo o corpo, ou seja, para todes;

Finalizando…

Mesmo que não exista tanta diferença assim entre pansexualidade e bissexualidade, é essencial respeitar a identidade e orientação sexual de todos. A Pansexualidade existe por si só e as nuances e vivências de cada pessoa pansex precisa ser respeitada.

Não deixa de continuar sua leitura e entender outras questões que perpassam a vivência pansexual nos textos que indiquei e um feliz dia do Orgulho Internacional da Pansexualidade para todes.

Deixar comentário

Este site é protegido por reCAPTCHA e a Política de privacidade e os Termos de serviço do Google se aplicam.

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.